Leonor Berger e o estranho caso das mulheres “machistas”

4
10

Fonte: Marxismo Cultural

Há algumas semanas (meses?) atrás ficamos a saber duma jovem cuja vida aparentemente foi salva devido ao tamanho dos implantes nos seus seios. Esta notícia com um final feliz causou a que uma feminista mostrasse mais uma vez o que se torna cada vez mais óbvio: as feministas odeiam mulheres que se esforçam para cativar a atenção e o desejo dos homens.

Aparentemente, e segundo as auto-promulgadas “defensoras dos direitos das mulheres”, as mulheres podem fazer quase tudo (até matar bebés) mas não podem de maneira nenhuma modificar o seu próprio corpo como forma de fazer o que as mulheres já fazem há milénios: usar a sua própria beleza para atrair homens.

Um exemplo cabal disto é este texto escrito por uma feminista com o nome de Leonor Berger. Ela diz:

Raparigas adolescentes, mesmo crianças de 10-12 anos (e nem quero entrar no tema da potencial pedofilia…), expõem os seus corpos e fazem poses que acham sexy, para chamarem a atenção dos rapazes e homens que surfam na Internet.

Será que as feministas não se apercebem que esta táctica de envergonhar os homens em relação ao seu natural apreço por mulheres bonitas não funciona? Porque é que sempre que se fala de mulheres ADULTAS que usam a sua beleza para atrair homens, as feministas invocam o perigo da pedofilia em tais casos?

Se há menores que erradamente e perigosamente colocam fotos suas na internet, isso é da responsabilidade dos pais da criança (ou da mãe solteira, como é normal hoje em dia). Sem dúvida que isso é algo que tem que ser combatido e prevenido mas o foco do post da Laura não é bem esse, como se vai ver mais adiante.

Publicam fotos e vídeos nos blogues e nas redes sociais, chegando mesmo a enviá-los por email ou sms a rapazes (ou homens) que conhecem. Tudo porque hoje em dia, para se ser bem-sucedida, pensa-se, há que ser sexy. E ser sexy é mostrar muita pele.

Falso. Ninguém defende que para uma mulher ser bem sucedida ela tem que ser sexy. O post da Leonor não é sobre as mulheres bem sucedidas mas sim sobre mulheres que usam a sua beleza para atrair a atenção masculina.

É para este fenómeno que alguns escritos feministas têm alertado ultimamente. Sob uma aparência de alegada libertação sexual, mulheres cada vez mais jovens objectificam-se em público – e não há actualmente lugar mais público que a Net.

Notem na passagem “cada vez mais jovens” e reparem como isso vem na mesma linha do que foi dito em cima; sempre que as mulheres modificam a o seu corpo para atrair os homens, as feministas invocam incessantemente o espectro da pedofilia.Isto é problemático e suspeito. Porque é que quando se fala em mulheres bonitas, as feministas começam logo a pensar em menores semi-despidas? Os homens sexualmente normais não fazem qualquer tipo de relação entre mulheres adultas bonitas e menores nuas. É a mente porca das feministas que geralmente faz essa conexão.

Repare-se também como as feministas não gostam da forma como a liberdade sexual está a ser usada pelas mulheres mais jovens e bonitas. Aparentemente usar a “liberdade sexual” para saltar de cama em cama é perfeitamente legitimo. No entanto, usar dessa “liberdade sexual” para atrair o desejo masculino já não é legítimo. Não se entende como é que as mulheres podem usufruir o “sexo livre” que as feministas tanto defendem sem primeiro usar do seu poder de atracção para cativar os homens com quem esperam levar a cabo o irresponsável “sexo livre”.

No entanto, não existe nisso qualquer forma de liberdade.

Ai não? A mulher adulta não é livre para exibir o seu corpo como e quando quiser? Não é ela livre para escolher os homens que lhe agradam?

Pelo contrário, este fenómeno serve apenas para alimentar o voyeurismo de alguns homens e perpetuar estereótipos

Eis aqui o verdadeiro problema que a Leonor não revela. A premissa não revelada do seu texto é: “as mulheres não devem ser escravas da beleza porque isso é dar poder (de escolha) aos homens”.

O que as Leonores deste mundo – e o seu grupo de feministas envelhecidas – odeiam não é a o facto de existirem mulheres que gostam de se exibir, mas sim o facto delas se exibirem aos homens. Esse tipo de exibição sub-entende que a mulher está a conformar a sua psicologia estética aos padrões que agradam aos homens – e não às mulheres.

Por exemplo, se estas mesmas mulheres exibissem o mesmo corpo em revistas lésbicas, as feministas não levantariam qualquer tipo de problema com isso porque o poder continuaria do lado das mulheres. Mas como o apelo que está a ser feito pelas mulheres bonitas assume padrões de beleza que satisfazem os homens, as feministas não gostam.

Por “perpetuar estereótipos” entenda-se “padrões de beleza masculinos que as feministas odeias”.

E que dizer da actual mania das cirurgias plásticas, sobretudo para inserção de implantes mamários?

Sim, o que dizer delas? Qual é o mal em levar a cabo modificações corporais (de forma saudável) que visem atrair os homens?

E as misses da Venezuela? Todas elas produzidas, processadas, transformadas por um senhor que, há muitos anos, escolhe as meninas para concorrerem a miss – não com base naquilo que a natureza lhes deu, mas no potencial para terem o aspeto pretendido depois de irem à faca.

Ou seja, as mulheres que se alindam para agradar os homens estão a levar a cabo prácticas análogas ao que o esquerdista Hugo Chavez faz ao embelezar as venezuelanas para os concursos de beleza. Portanto, se tu causas a que uma mulher modifique a sua beleza de modo a que ela fique mais atraente aos olhos dos homens, tu és um ditador comunista.

Por um título de beleza, as raparigas sacrificam a sua beleza natural e singular

Não “sacrificam”: melhoram a sua beleza natural e singular.

Como se atrair um homem, de preferência rico, fosse a ambição máxima de uma mulher moderna…

Lá está o que foi dito em cima. O problema não é a beleza em si mas o uso que elas fazem dela (atrair homens). Talvez não seja a ambição da Leonor atrair homens, mas a esmagadora maioria das mulheres mundiais não pratica o lesbianismo e como tal agrada-se em atrair a atenção masculina.

Repare-se no termo “mulher moderna”. Isto é uma das tácticas que as feministas usam para envergonhar as mulheres que se conformem aos gostos estéticos masculinos. Para as feministas, as que se conformam às preferências masculinas são “antiquadas”, as que se revoltam são “modernas”.

É este o novo machismo.

Apreciar a beleza feminina é “machismo”. Mulheres que se alteram para atrair homens estão a ajudar o machismo. O machismo é mau, logo, as mulheres bonitas estão a ajudar o mal. Elas têm que ser combatidas, humilhadas e criticadas como forma de impedir que mais mulheres usem a sua liberdade sexual de formas que não agradam à elite feminista.

Estas raparigas pretensamente modernas do século XXI

“Pretensamente”. Elas parecem ser modernas mas não são. Como é que sabemos que não são? Ora, pelo simples facto de tentarem atrair a atenção dos homens.

[elas] estão a recuar ao tempo em que as mulheres precisavam de um homem para viver

As mulheres ainda precisam de pelo menos um homem para viver. Nenhum sociedade sobrevive sem homens.

e em que precisavam de agradar aos homens, de preferência pelo aspecto físico porque o resto não tinha importância.

Se isto fosse verdade, os homens de antigamente casariam-se só com prostitutas visto que “o resto não tinha importância”.

Note-se outra vez o termo “agradar os homens“. Esta é a raiva desta feminista: mulheres que tentam agradar os homens. Para as feministas, isto é totalmente inaceitável visto que não é suposto as mulheres submeterem-se aos homens, nem que sejam aos gostos dos mesmos.

Mas há notícias terríveis para a feminista Leonor Berger: enquanto as mulheres forem mulheres e enquanto os homens forem homens, as primeiras irão sempre trabalhar para atrair os últimos. Pior, este esforço de atracção será feito segundo padrões de beleza que satisfazem os homens.

Os piores inimigos da libertação feminina não são os homens; são as mulheres machistas;

Sem dúvida que as mulheres que foram criadas bonitas e atraentes ficarão chocadas em saber que ao tentarem atrair a atenção masculina elas estão a agir de acordo com o machismo.

Portanto, eis aqui o conselho da elite feminista para as mulheres bonitas: parem de ser tão bonitas!

Anúncios

4 COMMENTS

  1. “se esforçam para cativar a atenção e o desejo dos homens.”

    “usar a sua própria beleza para atrair homens.”

    Kkkkkkkkkk
    Só mulher trouxa pra querer agradar estes vermes.

    Homens são porcos canalhas.
    Não dão valor a ninguém, só a putaria.

    “os homens em relação ao seu natural apreço por mulheres bonitas”

    LIXOS!

    Ser feminista é ser bela e ter dignidade.
    Em vez de ser escrava como estes lixos (homem) querem.

    Mulher tem que ter amor próprio.
    Homem não presta, não passam de cinicos e canalhas.

      • De fato, mulher tem de ter amor-próprio, tem de ter dignidade. Só não sei por que isso e beleza seriam autoexcludentes… Beleza é só mais uma qualidade, um atributo, cuja importância é altamente variável a depender das circunstâncias.

        É claro que homens buscam mulheres bonitas! Todos buscamos parceiros fisicamente atraentes, independentemente de gênero e mesmo de preferência sexual. E a beleza é importante em todas as interações interpessoais, independentemente de haver possibildade de – com o perdão da palavra – acasalamento. A aparência é o primeiro critério de julgamento a que todos estamos submetidos, simplesmente pela impossibilidade de haver outro.

        Isso tudo à parte, será que as feminazi realmente acham que queremos alguma espécie de escrava sexual como companheira de vida, uma “capa de Sexy” que seja física, emocional e mentalmente submissa? Como nossas companheiras de vida? Sério? Retidão de caráter, integridade moral, personalidade saudável, inteligência, equilíbrio emocional, gostos pessoais em comum, independência financeira, competência profissional… nada disso importa para nós, é isso que elas acham?

        Ou será que é obrigatório ser feia para se ter os atributos elencados acima? Claro que minha amostra é muito pequena para ter solidez estatística, mas eu andei reparando: as mulheres muito engajadas na militância feminista, especialmente as líderes, são… bem… desprovidas de beleza. Leila Aronovich, Eleonora Menicucci, Iriny Lopes… se formos considerar as “mulheres fortes e competentes”, que não são “só um rostinho bonito”: Maria das Graças Foster, Ideli Salvati, a não-saudosa Erenice Guerra, a própria Dilma Roussef (que, por sinal, fez várias plásticas para ser um “produto” mais vendável).

        O problema é quando há uma mulher que é independente, inteligente, íntegra, digna e que tem amor-próprio… e é bonita. Se não for feminazi, o discurso entra em curto-circuito. Acho que a palvra que define é: recalque.

        As mulheres bem-resolvidas sabem reconhecer os homens que as valorizam, inclusive (mas não só) por suas belezas; e os homens sabem por que as valorizamos, e a beleza é só um fator (de peso variável) que entra na equação.

  2. Na verdade, as feministas são mulheres feias, frustradas e infelizes, que se contorcem de inveja por não conseguirem o sucesso das mulheres bonitas, por saberem que jamais terão o charme delas e ainda pelo fato de serem desprezadas pelos homens.

    Em face disso, reconhecendo a própria incompetência e incorrigível feiura, tentam, por meio de patéticos estratagemas e ridículos artifícios, trazer as mulheres bonitas para o mesmo charco de inferioridade e desprezo em que vivem.

    Em suma, as feministas não se conformam com glamour, com a suavidade, com a feminilidade e com o sucesso das mulheres bonitas. A elas, eu cito o inesquecível Vinícius de Morais:

    “Que me desculpem as feias, mas beleza é fundamental!”

Deixe uma resposta