A extrema utilidade dos (supostos) emails insanos de Jean Wyllys a Olavo de Carvalho

22
21

Ontem publiquei o post “Olavo de Carvalho dá uma aula magistral de como responder a um esquerdista. Jean Wyllys podia dormir em essa”.

Nesse post, foi mostrado um suposto email de Jean Wylls, deputado esquerdista e gayzista (pleonasmo), ameaçando Olavo de Carvalho e afirmando que iria processá-lo por “homofobia”, “fascismo” e outras acusações delirantes. A resposta de Olavo foi letal, praticamente fulminante.

Eis que na manhã de hoje (e infelizmente só estou postando agora, pois tive reuniões o dia todo e depois fui a um jantar para degustação de cervejas chiques) apareceu a suposta tréplica de Jean Wyllys, como sempre, capaz de causar vergonha alheia.

Veja abaixo, conforme informação do Mídia sem Máscara:

Sr. Olavo de Carvalho, estou indgnado com as suas insinuações acerca da minha pessoa no texto intitulado “Jean Wyllys ameaça e Olavo de Carvalho responde”, pois você mudou todo o contexto do texto, separando-lhe em pedaços e dando-lhe significado diverso do pretendido, ou seja, aquele mais conveniente às suas exposições caluniosas e homofóbicas.

Saiba, pois, que sou um Deputado Federal, detentor de imunidade parlamentar, a qual é importante, diante das tentativas desenfreadas da direita fascista tolher a liberdade dos cidadãos LGBTS – aliás, sempre por parte de reacionários seguidores de sua filosofia sanguinária e despótica.

Suas manifestações homofóbicas, racistas, xenofóbicas e nazistas têm efeitos indesejados na nossa sociedade democrática. Seus seguidores atualmente espancam homossexuais e o sr. defende que a lei não seja endurecida para que a punição destes criminosos ocorram.

Indigno-me, também, que o sr. disse, no aludido texto, que eu sou a favor da pedofilia. Isto nunca ocorreu. Você vai responder na justiça por tudo isso.

Eu defendo sim que toda criança tenha direito de dispor da maneira que desejar o próprio corpo, sendo que a única regra que deve ser respeitada em todas as relações hetero e homoafetivas é o respeito e a liberdade.

Já entrei em contato com o Luiz Mott e ele também vai ingressar na justiça contra você e o deputado Bolsonaro, pois ele nunca defendeu a pedofilia e trabalha há décadas em prol do desenvolvimento da cidadania dos cidadãos LGBTS.

acusações infundadas serão totalmente rechaçadas, pois faço questão de ligar para o seu programa na próxima quarta-feira.

A partir de amanhã vou lutar, junto aos órgãos competentes, pela sua deportação para o Brasil, diante dos crimes contra a humanidade que são cometidos pelo sr., incentivando a violência contra homossexuais e pessoas que possuem ideologia diversa da direita fascista.

Observo que o único pedófilo é você, que disse que a pedofilia não é anti-natural.

O desafio está feito! Vou ligar para seu programa e te envergonhar perante todos os reaças que te seguem.

Meus advogados já estão trabalhando. Muito cuidado com o que está falando. Sou um deputado federal eleito pelo povo e para o povo eu trabalho.

Minhas conquistas no âmbito dos Direitos Humanos são significativas para o Brasil. Direito Humano também é exercer o direito sobre o próprio corpo.

Exijo a retirada imediata do texto calunioso, além da eliminação de todos os vídeos do True Out Speek do ar, caso contrário vou acionar a INTERPOL para que ela faça isso.

Cuide-se, pois vai terminar sua vida na cadeia, próximo àqueles que tanto odeia.

Atenciosamente,

Deputado Federal Jean Wyllys.

Ao ler este email, fiquei todo animado. Justamente em uma semana na qual estou publicando os textos da “Arte da Guerra Política”, de David Horowitz, será que eu poderia fazer uma análise desse material de Jean Wyllys nos termos da guerra política? Claro que sim.

Por exemplo, já havia até feito a seguinte análise: realmente é difícil processar Jean Wyllys por causa da imunidade parlamentar, mas o caso poderia ser utilizado para questionar os limites dessa imunidade e denunciar a esquerda como BENEFICIÁRIA no uso da imunidade parlamentar para defender idéias totalitárias.

Como pela imunidade, não seria possível atacar Wyllus por meio de processos, o combate político teria que ser feito na “questão da imunidade parlamentar, e seu péssimo uso por um esquerdista”. Esse seria um dos terrenos de combate.

Outra questão poderia ser a da denunciação caluniosa, na qual processos poderiam ser lançados não contra Jean Wyllys, mas contra todas as associações que o apoiam.

Nessa contenda, quem usou expressões como “nazista”, “fascista” e até “homofóbico”, por parte da esquerda, poderia ser vítima de um processo judicial por cada denunciação caluniosa. Eu iria até sugerir um mutirão de advogados conservadores para processarem sem custos, mas com um contrato para estipular o recebimento de um percentual ainda mais polpudo da soma envolvida no processo após a vitória.

Enfim, as sugestões seriam várias.

Mas, bizarramente, segundo o Correio 24 Horas, Wyllys negou ter enviado qualquer tipo de email. Veja o que ele afirma:

“Escroques de má-fé inventam um e-mail falso para me difamar, divulgam a calúnia e há os “ingênuos” que “acreditam” nela a me interpelar. Já imprimimos toda calúnia e armação e vamos acionar a Polícia Federal para investigar de onde ela partiu e quem são seus autores! Que criminosos caluniem e inventem formas de me difamar, eu até espero…”

“Espanta-me é a disposição de alguns a acreditar na calúnia.Penso que quem acredita no e-mail falso já alimentava algum tipo de ódio em relação a mim e só esperava pela chance de expressá-lo!Qualquer pessoa sensata – e muitas aqui o fizeram – desconfiara logo da armação ou no mínimo se perguntaria sobre honestidade da fonte. O que eu posso garantir é que essa calúnia (o email falso divulgado) não ficará impune! E não adianta correr para apagar o que foi escrito. Já demos “print” em tudo e alguns perfis já estão identificados! Querem escrever e divulgar o que lhes convém? Então aprendam a arcar com as consequências do que escrevem e dos crimes que cometem!”.

Já o site Mídia sem Máscara publicou o seguinte:

O deputado Jean Wyllys nega ter sido o autor dos e-mails ameaçadores enviados a Olavo de Carvalho. Uma rápida averiguação parece confirmar o que ele diz. Pelo menos os e-mails não foram enviados pelo sistema de e-mail da Câmara. Vieram pelo Emkei’s Fake Mailer, um site que oferece serviço de envio de e-mails com remetentes falsos. http://emkei.cz/. O que vamos fazer agora é por em ação a Polícia Federal para rastrear a identidade do remetente e tomar contra ele as providências cabíveis.

Puxa, e eu que já estava esperando um início da Guerra de Processos, fiquei até decepcionado. Não teremos esse gostinho no momento.

Entretanto, ainda temos várias questões no ar. Será realmente verdade que Wyllys não postou o email? Pode ser que sim, pode ser que não. O curioso é que a negativa veio apenas após a publicação de um email destemperadíssimo, que causaria prejuízos políticos evidentes a Wyllys. Desta forma, é até possível que ele tenha enviado o email e se arrependido de ter ido tão longe (como no uso enfático da alegação de “imunidade parlamentar”), e então fingindo depois não ter enviado nada. Mas, claro, isso são apenas suspeitas.

Mas ainda assim, temos um questionamento enfático de Olavo de Carvalho que, independentemente de Wyllys ter ou não enviado o email, está aí para ser respondido. Aliás, não foi apenas um questionamento, mas uma série deles. Relembremos o que Olavo disse em sua resposta:

Qualquer que seja o caso, o senhor poderia me esclarecer qual a diferença, se existe, entre a liberação da pedofilia e a “liberdade de a criança dispor do seu próprio corpo”, que o senhor defende? Tem o senhor a certeza sincera de que essa medida não incluirá, logicamente e necessariamente, a liberação da “pedofilia consentida”? Por exemplo, na perspectiva que o senhor defende, deve haver liberdade para que um marmanjo de 17 anos e 11 meses, legalmente menor de idade, tenha relações com um menino de cinco, seis ou sete anos, caso este o deseje ou consinta? Por favor, seja honesto: não tergiverse, responda “sim” ou “não”.  Caso o senhor não consiga demonstrar logicamente que a sua proposta protege as crianças contra um caso desse tipo, ou que tais casos não constituem “pedofilia consentida”, não haverá nenhum erro em considerá-lo um apologista da pedofilia ao menos consentida. O senhor pode me explicar a diferença, se é que alguma existe?

Ao colocar Wyllys contra a parede, pode-se forçar um dos líderes gayzistas a emitir uma verbalização de “negativa ao apoio”, com a qual deixaria incomodadíssimos muitos adeptos da Parada Gay. Ou seja, o questionamento já é suficiente para complicar o gayzista, mesmo que ele dê a resposta negativa. Em caso de dar a resposta positiva (o que seria improvável), ele já faria o trabalho do oponente e se auto-enforcaria. Em caso de não dar resposta alguma, ele poderia ser taxado de “fujão”. Lembremos que ele não pode ignorar desconhecimento do caso, pois se respondeu que seu email foi falsificado, ele já sabe da confusão na qual está envolvido. Portanto, ele não tem mais como fugir da resposta.

Observe que já mapeei tanto estratégias para o caso do suposto email de Wyllys ser dele próprio (guerra de processos contra aliados de Wyllys, questionamento público da imunidade parlamentar), como para o caso do email ser falso (manutenção do questionamento feito por Olavo, que o complicará tanto se ele responder afirmamente, negativamente ou se negar a responder).

Isso é pensar politicamente. Basta entender Wyllys como um adversário no campo de combate político. Assim como eles mapeiam estratégias contra nós, podemos fazer o mesmo contra eles.

A própria “disposição para o combate judicial” serviu para dar um ânimo aos conservadores (o que pode ser notado nos comentários do Mídia sem Máscara) que por si só já é um fator extremamente positivo. Basta manter esse “timing” no momento em que um oponente vier com a mesma postura, no caso de um email ou declaração certamente verdadeiro.

A mensagem final é a seguinte: basta pensar estrategicamente que, independentemente do email de Wyllys ser verdadeiro ou não, pode-se aproveitar o momento para vencer uma batalha dentro dessa guerra política envolvendo o gayzismo. Não está difícil.

Alguns poderiam até dizer: “ah, se ele diz que o email é falso, vamos deixar para lá”. Deixar para lá é o escambau! Como diria Horowitz: “É a política, estúpido!”.

Anúncios

22 COMMENTS

  1. Bom dia Lucianao!
    A frase onde ele defende o direito da criança…é verdadeira?
    No primeiro email ele escreveu que o Olavo e o Jair disse que ele faz apologia a pedofilia. A polemica comecou por isso. abs

  2. O que me deixa mais com o pensamento de ele ter “se arrependido” e voltado atrás negando os e-mails (provavelmente assessorado por advogados), é que sua manifestação de negação dá a entender que ele visa atacar o olvavo e os outros que comentaram “difamando-o sem questionar se os e-mails eram falsos”, isso tudo cheira a uma estratégia longamente premeditada.

  3. MOMENTO VERGONHA ALHEIA

    “felizardo” da vez… VOCE!!

    kkkkkkkkkkkkkkkk
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ó o gostosao publicando noticia fake DENOVO! E ainda fica ridicularizando quem faz isso!

    Quero ver se foi o olavo mesmo ou um de seus amigos que forjou isso e isso vier a tona. Ai sim, você vai passar MUITA vergonha! auhuauashus

    Sabe o que acho?

    Acho POUCO

    • Luciano, lendo o link que você postou do Snowball, lá o Bruno diz que “devemos confiar nos outros” (no que ele naturalmente inclui os políticos) e que as leis são feitas para buscar a felicidade humana. Ou seja, o Bruno é mesmo um esquerdista puro sangue, como já suspeitávamos, pois tem crença no homem e não é cético político.

      • Elementar, Jules.

        Realmente, o Bruno fez isso mesmo. Citando o que ele disse por lá: “A lei e o estado moderno buscam corrigir problemas que causam consequencias ruins e de fácil visualização. Ela só exclui pessoas quando elas representam perigo real.”.

        Figura carimbada esse Bruno 🙂

  4. “Eis que na manhã de hoje (e infelizmente só estou postando agora, pois tive reuniões o dia todo e depois fui a um jantar para degustação de cervejas chiques) apareceu a suposta tréplica de Jean Wyllys, como sempre, capaz de causar vergonha alheia”.

    Eia Luciano, um maluco á là Coringa fazendo a guerra política pegar fogo e você em um momento CARAS!? hahahahahahahahahahaha xD

    “zuêra”, viu? 😛

    Em tempo: Bruno seu paquiderme, eXcesso se escreve com X, não um s. Semi-analfabetização seria um mal da esquerda brasileira também?

    • «
      Semi-analfabetização seria um mal da esquerda brasileira também?
      »

      Bom, deve ser um mal, senão da “esquerda-em-geral”, certamente dos “modernosos” em geral. Kemal Atatürk trocou o alfabeto árabe pelo alfabeto latino, o Getúlio Vargas e o Salazar mataram (argh Argh ARGH) a ‘orthographia etymológica’ do português, e a China Comunista “simplificou” o chinês escrito.

      GOT IT ??? 😉

  5. Luciano, esse site é o melhor guia sobre cervejas finas:

    http://www.brejas.com.br/

    Pra mim, não tem nada melhor que as trapistas belgas, e as de trigo alemãs.
    E a Guinness tá acima de qualquer coisa.

    (não dá pra dizer que não tem absolutamente nada a ver com o post hahaha)

  6. Washington e Leo, na sexta eu descobri que não sei quase nada de cervejas, mas agora quero conhecer mais. E a Guinness é show de bola mesmo. Na sexta, experimentei a La Trappe, que não conhecia, e é uma das trapistas. 🙂

    • La Trappe é maravilhosa, se você ainda não conheceu, também vai gostar muito da Chimay.
      Das cervejas gourmet brasileiras, tem as da Colorado, Baden Baden e Eisenbahn, fáceis de encontrar nas grandes redes, e com uma boa variedade de estilos.

  7. OVERDUE UPDATE:

    «
    Recebemos do leitor Cristiano Goulart Schülter a seguinte mensagem, que pode lançar alguma luz sobre o caso Jean Wyllys:

    Por favor, peço que levem este fator em consideração:

    Existe um grupo de trolls virtuais extremistas denominados “sanctos” cuja especialidade é a de usurpar discursos e identidades alheias para atacar todos os representantes da direita, manchando suas reputações. São pessoas com sérios problemas psicológicos.

    Foram eles os responsáveis pelo encerramento das atividades de um antigo blogueiro de direita chamado Silvio Koerich. Os sanctos se identificavam como sendo ele, e adotando discursos parecidos e distorcendo-os para extremos, enganando todo mundo e atraindo a atenção da polícia, desmoralizando-nos.

    É a turma associada do atualmente preso engenheiro Emerson Eduardo Rodrigues (de Curitiba), que foi detido em março por suas apologias à pedofilia, racismo, estupro, e outras aberrações. Foram eles que ameaçaram o Jean Wyllys de morte naquela época também.

    O trabalho deste grupo de trolls, consiste em unicamente acabar com a reputação dos representantes da direita conservadora no Brasil. Eram eles que mantinham um blog de apologias às referidas aberrações somados à discursos de ataques à esquerda. É assim que eles trabalham, em cima de associações. Eles parasitam um determinadon discurso, e fazem o inimigo pensar que é você.

    Peço que não desconsiderem esta possibilidade, e que caso seja preciso, que levem ao conhecimento da polícia para que averiguem possíveis ligações.

    Grato.

    Cristiano Goulart Schülter
    »

    fontes:

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/direito/13244-uma-pista-para-a-origem-dos-e-mails.html

    e

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/direito/13240-dever-cumprido.html

Deixe uma resposta