Por que a morte de 34 mineiros na África do Sul deve ir para a conta da esquerda

7
2

@

Depois das notícias da morte trágica de 34 mineiros grevistas na África do Sul (ler matéria do Terra caso não tenha feito ainda) em 17/8, o fato tem sido utilizado como instrumento de capitalização política pelos esquerdistas ao redor do mundo.

Não raro eles dizem que o massacre é um exemplo da ação de “poderosos contra oprimidos”, mostrando o quão “doente” seria o sistema capitalista atual, tão cruel a ponto de ser impiedoso ao ceifar a vida de 34 trabalhadores.

Pois bem, esta é a versão que não param de repetir nas redes sociais, algo como se conquistassem um trunfo, quando na verdade deveriam estar analisando de verdade uma verdadeira tragédia. Muitos dizem que o massacre lembra o “retorno do Apartheid”,  que, como mostrarei aqui, não tem sentido algum.

O fato é que na medida do possível a polícia deve tentar resolver conflitos desse tipo com o menor derramamento de sangue possível. Ainda que manifestantes exaltados, em alguns casos (não todos) é legítimo colocá-los em uma escala diferente dos marginais de rua, como assaltantes, estupradores e sequestradores, para os quais eu não verteria uma lamúria sequer caso fossem abatidos em larga escala.

Entretanto, o que o vídeo mostra é que os grevistas partiram para cima da polícia com facões, o que tornou a reação policial nada mais nada menos que legítima defesa. Qualquer pessoa em sã consciência, munida de arma de fogo, sabe que uma pessoa enfurecida correndo para cima dele com um facão afiado pode com um triz decepar um membro de seu corpo ou mesmo degolá-lo. Logo, seria insano não usarem o poder de fogo disponível para salvarem suas próprias vidas.

Não é o “malvado capitalismo” que faz alguém, durante uma greve, sair munido de seu facão para cima da polícia. Temos, então, que achar os responsáveis.

E não é muito difícil descobrir que os culpados são os mesmos de sempre. Toda a situação grotesca só foi possibilitada por causa do incentivo à violência dos grevistas praticados pelos líderes sindicais. Estes sim aproveitaram-se de uma situação tensa para fazer os grevistas se lançarem contra a polícia e serem baleados em retorno (em uma reação justa da polícia), tudo por pura capitalização política.

Sim, capitalização política, pois é óbvio que os líderes sindicais não estavam entre os que avançaram para cima da polícia. Estes líderes estavam incentivando os grevistas a agirem de forma suicida.

É para eles que o dedo deve ser apontado de forma acusatória neste momento.

Anúncios

7 COMMENTS

  1. Luciano,

    É inegável a participação dos articuladores do movimento para o resultado final do confronto.

    Mas as mortes não poderiam ter sido evitadas e/ou minimizadas com a utilização de equipamento não-letal pela polícia?

    Quero dizer, se de um lado há a articulação maquiavélica da esquerda para criar massa de manobra atravéz da comoção popular, por outro lado não haveria uma falha de planejamento – por imperícia ou imprudência – do Estado?

    • De fato até poderiam. Mas a questão é: em situações em que os manifestantes estão armados, será que é uma prioridade a polícia se armar apenas para “pacificação”?

  2. Concordo com o Luciano quando diz que as mortes devem ir para a conta da esquerda, pelos motivos já expostos no post acima, mas acredito que, assim como os líderes sindicais, os empresários capitalistas que empregaram os mineiros também possuem plena culpa neste massacre.

    Nada impedia que os policiais fossem munidos com armas não letais, tais como bombas de efeito moral, balas de borracha, dentre tantos outros artefatos correlatos.

    É assim aqui no Brasil. Quantas manifestações que quando descambaram para a violência por parte dos manifestantes não foram coibidas com armas não letais, deixando no máximo pessoas feridas (de ambos os lados)?

    Nesse sentido acredito que os manifestantes, apesar de estarem armados, estavam em nítida desvantagem perante os policias que não hesitaram em atirar matando 34 dentre eles.

    Quem deu os facões aos manifestantes e os incitou a descabarem para cima dos policiais? Seus líderes sindicais.

    Quem atirou nos manifestantes deixando 34 mortos? Os policiais.

    Ambas as situações poderiam ter sido evitadas (tanto os manifestantes com facões quanto os policiais com armas letais).

    As evidências apontam que os dois lados foram dispostos e devidamente prontos para matar caso a situação, por algum motivo, fugisse do seu devido controle. E foi o que aconteceu.

    ps.: Luciano, reconheço neste caso a estratégia leninista de colocar o povo nas ruas e incita-los à violência contra as autoridades para que estes, ao chegarem no limite, venham responder de maneira truculenta para que dessa forma os “comissários do povo” possam capitalizar politicamente em cima da situação aclamando para si tomada de poder absoluto bem como o apoio total de outros individuos alheios à situação.

    O povo sempre foi massa de manobra nas mãos de lideres de esquerda. Isso é patente neste caso (dentre tantos outros).

    Mas será que não existe alguma maneira de coibir manifestações tais sem deixar um saldo de mortos tão expressivo?

    E algo que não ficou muito esclarecido no vídeo:

    Os empresários tentaram dialogar com os trabalhadores? Os empresários tinham alguma proposta para melhorar as condições de trabalho dos mineradores?

    Se não, eles são tão culpados pelo massacre quanto os líderes sindicais dos trabalhadores.

    • Eu não diria isso. Mas colocar isso na conta da “direita” é no mínimo palhaçada. Aliás, que raio tem a ver xenofobia com direita? Ah, já sei, os adeptos de Gramsci pregam isso, certo?

      • Eles acham que se a direita é contra imigração, os grupos xenófobos e racistas são “extrema-direita”.
        O que é um raciocínio estúpido, claro.

  3. Igualzinho a Eldorado dos Carajás. Ora, pra que serve a polícia se não for pra controlar caso ocorra algo como o que ocorreu? Se os caras atacam, a polícia tem que contra-atacar. É óbvio! É pra isso que estão lá.

    Agora eu me pergunto: quando um cara corre com um facão na mão pra cima de um grupo de policiais armados, o que ele acha que vai acontecer? É preciso ser muito inteligente pra saber qual será a consequência?

    Agora: se uma criatura dessas corre contra a polícia sabendo que ela tem armas letais, imaginem o que essa mesma criatura faria se soubesse que a polícia só tem armas não-letais?

    Polícia é pra isso mesmo: manter a ordem.

Deixe uma resposta