Pauta conservadora “em segundo plano” pode ser sinal de Maia para guerra política

rodrigo_maia_presidente_camara

Como mostra o Bocão News, o novo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deve impor um freio à pauta conservadora que, segundo alguns, teria marcado a gestão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A ideia seria evitar, num primeiro momento, a votação de projetos que “radicalizem o ambiente”, gerando confrontos em plenário. Alguns temas, como o Estatuto da Família e a proposta que dificulta a demarcação de terras indígenas, devem sair da lista de prioridades do plenário.

Leia mais, conforme entrevista de Maia à Folha:

Folha – A gestão Eduardo Cunha patrocinou uma pauta conservadora na Câmara. Como o sr. lidará com ela?

Rodrigo Maia – Neste momento de crise, a gente não pode radicalizar mais o ambiente entre governo e oposição, ou entre deputados que pensam de forma conservadora e liberal nos valores. O Brasil precisa criar um ambiente que seja mais de consenso do que de dissenso. Não quero tensionar as relações na Câmara. Vou deixar os temas que geram mais divisão e problemas para um segundo momento.

Muitos projetos que atingem minorias estão avançando, como o que dificulta a demarcação de terras indígenas e o chamado Estatuto da Família. O que pensa sobre eles?

A demarcação é um tema que está distante da minha realidade. Vou tentar equilibrar. Se deixar na mão dos meus amigos [da bancada ruralista], fica difícil… [risos]. No caso dos temas de valores da família, eu sempre tendo a votar numa posição mais conservadora. Mas acho que neste momento deve prevalecer o consenso. São poucos meses e teremos uma eleição no meio. Se a gente radicalizar nos temas, não vamos avançar para lugar nenhum.

Parte da bancada evangélica o boicotou porque o sr. apoiou, em 2006, um projeto que criminaliza a homofobia.

Foi o último grande projeto aprovado na Câmara. Isso foi usado de forma sórdida contra mim. Aquele projeto precisa ser melhorado no Senado, porque tem alguns excessos. Mas o tema da homofobia preocupa a todos, inclusive os evangélicos. Este tema está na ordem do dia porque ainda estão matando pessoas por causa da orientação sexual delas. Os evangélicos que não misturam as coisas sabem que meus votos foram majoritariamente conservadores nos últimos anos. Eu caminhei do centro para a direita.

Geralmente as terminologias são utilizadas de forma equivocada na política.

De fato o Estatuto da Família é uma pauta conservadora, enquanto a demarcação de terras indígenas nada tem de conservador. De qualquer forma, vamos considerar, a título de argumento, que as pautas sejam “conservadoras”.

Um liberal/libertário como eu não tem nada contra as lutas conservadoras. Na verdade, até o liberalismo clássico sempre defendeu a convivência entre modos de vida diferentes, incluindo o modo de vida conservador. Algumas demandas conservadoras são legítimas e respeitáveis, embora por vezes contestáveis.

Mas a grande verdade é que os conservadores ainda precisam comer mais feijão com arroz e vitaminar sua luta política. Devem adentrar a mais confrontos políticos e partir de vez para a guerra cultural, especialmente nas universidades, na mídia e no ambiente cultural em geral. Somente assim, suas pautas deixarão de ser “polêmicas” para se tornarem parte do senso comum. Há muito trabalho pela frente a ser feito pelos conservadores. A bem da verdade, há muito trabalho pela frente também para os liberais, e até para os libertários pragmáticos.

Dá para notar também que Maia adota a perspectiva da triangulação, que é jogar politicamente “batendo a carta de seus oponentes”. O governo Temer fez isso ao colocar a jurista de extrema-esquerda Flavia Piovesan na Secretaria de Direitos Humanos. Aliás, o governo petista sempre faz triangulações. Bill Clinton era um especialista nesse sentido. Usar a triangulação não é algo indesejável, mas vital na maioria dos momentos. (Triangular não é adotar toda a agenda do oponente, mas apenas parte dela, de forma a aumentar a base de apoio e quebrar narrativas adversárias)

Outro ponto elogiável na entrevista é o reconhecimento de sua mudança para um perfil de direita, ao longo dos tempos. Mas isso, na realidade, significa apenas uma abertura para pautas conservadoras e liberais, mas isso só ocorrerá ao longo do tempo de acordo com a guerra política feita fora dos círculos parlamentares. É uma guerra que acontece pela sociedade civil, a todos os momentos e oportunidades, em um ciclo de politização que deve ser ampliado a cada dia que passa. Em resumo, os participantes da sociedade civil, sejam eles conservadores ou liberais, devem ir para a guerra política sem economia.

Com isso, os itens das agendas conservadoras ou liberais voltam à pauta rapidinho. Isso não significa depositar “fé em Maia”, mas reparar que há um canal aberto ali, facilmente suscetível à pressão. Mas, antes disso, temos que fazer nosso trabalho via guerra política, em todos os ambientes.

Um socialista comprometido com o PT não iria “colocar a pauta conservadora em segundo plano”. Iria dizer que a pauta deveria ser enterrada pelo gato na raia. Ao mencionar o “segundo plano”, Maia sinalizou que o espaço está aberto para uma ação política dos interessados.

Curta-nos e siga-nos no Facebook para receber todas nossas atualizações!

Para adquirir o livro “Liberdade ou Morte”, você pode consultar o site da Livraria Cultura ou da Saraiva.

 

 



Categorias:Uncategorized

Tags:, , , ,

4 respostas

  1. A imprensa é de uma desonestidade inacreditável. Quando milhares de trabalhadores rurais foram expulsos das terras em que nasceram e nas quais produziam alimentos para a população, pelo governo petista, sem qualquer processo legal, para criar supostas reservas indígenas que não beneficiam nem os próprios indígenas, a imprensa ficou caladinha. Quando alguém tenta acabar com esse absurdo, ele chamam de “pauta conservadora” e “polemica”.

    Curtir

  2. Antes de tudo, Maia tem plena consciência do que seja uma “pauta conservadora”? ou liberal?

    Curtir

  3. Luciano, boa tarde.
    Eu estou vendo mais outro aspecto que me chamou a atenção e foi o seguinte:
    Presta atenção no novo secretário – geral da Mesa Diretora, da Câmara, indicado pelo novo Presidente, Lourimar Rabelo, QUE FOI UMA IMPOSIÇÃO dos comunistas para apoiarem o Maia. O elemento é chegadérrimo no Renan e homem de confiança da tropa de choque da Dilma…nada é por acaso e não vejo progredir esta pauta conservadora que colocaste como possibilidade, antes o contrário.
    Abraços,

    Andrea Hilbk

    Curtir

  4. Sinceramente, só acredito vendo. Preciso ver as ações e atitudes práticas de Maia para poder ter um ideia de como ele guiará a câmara durante sua gestão. Ele como deputado nunca foi dos mais combativos e demonstrou ser uma oposição fraca, muitas vezes se abstendo de discutir assuntos polêmicos que envolviam o PT e sua agenda ou mesmo se posicionar sobre eles. Não é atoa que deputados de primeiro mandato – Bruno Araújo, Paulo Martins, Eduardo Bolsonaro, entre outros – se destacaram mais entre a população e os movimentos de rua. A eleição de Maia, da forma como se deu, demonstra sua habilidade de articulação nos bastidores. Levando isso em consideração, acredito q se realmente ele for um deputado de direita, as pautas conservadoras caminharão no congresso, pois deputados q as apoiam não faltam. Acredito q uma agenda econômica liberal, prioridade do governo no momento, seja muito mais difícil de ser aprovada do que essas ditas pautas conservadoras.

    “Eu caminhei do centro para a direita.” pode ser apenas um truque para tentar nos enganar. Ou então, parece que 13 anos de PT no poder não ensinaram nada para Maia. O PT q tentou destruir o DEM e impor sua agenda através da compra de parlamentares nos 2 maiores escândalos de corrupção não merece a menor confiança para que Maia possa tentar com eles o diálogo e a pacificação. Com a extrema esquerda não tem diálogo. Ou é a agenda deles ou nada. Sabemos que é assim.
    Para o bem ou para o mal, ao menos o mandato dele só dura até fevereiro de 2017, quando haverá outra eleição e aí eu espero q um deputado de nossa confiança, como José Carlos Aleluia, Pauderney Avelino, Carlos Sampaio, o próprio Rosso ou outro deputado do dito centrão, possa assumir a presidência da casa.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: